Conforme a tecnologia se expande e novas soluções aparecem, é evidente que as pessoas comecem a pensar sobre a relação entre inovação e o futuro do planeta. Evidentemente, com os robôs não seria diferente: é assim que surge o termo robótica sustentável. 

De acordo com a Febraban, o mercado de robôs deve crescer 10 vezes até 2030, somando um faturamento de mais de 260 bilhões de dólares. Segundo o levantamento, as soluções tecnológicas dessas máquinas serão bastante aceleradas. 

Além de automatizar tarefas humanas, a tecnologia do futuro estará mais próxima das pessoas, com interações cotidianas. Veículos autônomos, por exemplo, vão se tornar comuns, realizando diversos tipos de atividades (como entregas). 

E, como qualquer transformação da sociedade, essa expansão pode gerar dúvidas, principalmente quando falamos sobre o futuro do planeta. É neste contexto que surge a robótica sustentável: para unir tecnologia e sustentabilidade. 

Pensando nisso, neste artigo, você entende melhor a relação entre tecnologia sustentável e robôs, além da sua importância e de exemplos de projetos que estão se tornando reais quando o assunto é sustentabilidade e inovação. Confira! 

O que é robótica sustentável?  

Se a robótica desenvolve soluções tecnológicas construindo máquinas que automatizam, executam e facilitam tarefas, um robô sustentável é parte deste setor, focando na relação entre eles e o meio ambiente. 

A robótica sustentável pode ser aplicada em diversas áreas, como na agricultura.

Isso pode acontecer de diversas formas: desde a construção de robôs por meio de peças recicladas até a criação de máquinas capazes de economizar recursos naturais, como água potável. 

A robótica sustentável também se destaca na educação. Cada vez mais, cursos têm inserido o tema na grade curricular, para demonstrar a importância de conectar tecnologia do futuro com meio ambiente. 

Dessa forma, nos próximos anos, conseguiremos criar tecnologia sustentável, que facilite o dia a dia, ao mesmo tempo que desgasta menos os recursos naturais. 

Como a robótica pode ajudar na sustentabilidade?  

Quando soluções tecnológicas se encontram com um robô sustentável, as aplicações são diversas! O que se mantém, evidentemente, é o foco na conservação ambiental.  

Para demonstrar melhor a relação entre inovação e sustentabilidade, confira algumas aplicações de robótica sustentável na prática! 

Robótica subaquática 

Este ramo da tecnologia sustentável cria robôs com foco na preservação e monitoramento de ambientes aquáticos, como mares e rios. Eles podem acompanhar e identificar espécies marinhas, por exemplo. 

Ao mesmo tempo, são excelentes para monitorar as condições da água. Por meio de submarinos, é possível coletar informações relevantes sobre a saúde das fontes, além de evitar desastres climáticos (como derramamento de óleo). 

Robótica para coleta e reciclagem 

Quando o assunto é reciclagem, a tecnologia do futuro pode ser usada para identificar e coletar resíduos nas cidades de forma automática.  

A robótica pode ser aplicada na reciclagem, para separação e coleta de resíduos. 

Além disso, por meio de sensores, estes robôs também conseguem separar materiais recicláveis de acordo com o tipo, facilitando o processo de reutilização dos itens. 

Robótica agrícola 

O agronegócio é um dos principais mercados brasileiros, de forma que usam diversos recursos naturais para plantio, colheita e demais processos. Logo, neste segmento, a robótica sustentável possui grandes oportunidades de implementação. 

Sensores de irrigação automáticos, práticas de agricultura de precisão, utilização de energia limpa e outros fatores da tecnologia sustentável podem ser inseridos no setor, para diminuir o uso de recursos naturais. 

Com a evolução da robótica sustentável, mais oportunidades aparecerão. Afinal, é fundamental que a evolução ande junto da conservação do meio ambiente. 

Qual a importância da robótica para o futuro do planeta?   

Para além da preservação natural, a robótica é um campo de estudos que apresenta diversas vantagens para o futuro. Conheça alguns! 

Inovação e criatividade 

Seja por meio de projetos de robótica sustentável ou utilizando outras áreas da sociedade, os robôs podem trazer grandes avanços para o futuro da tecnologia. 

Um excelente exemplo é a medicina, que já conta com robôs para auxiliar em diversas operações, inclusive em microcirurgias. 

Desenvolvimento de profissionais 

Conforme a robótica ocupa novos espaços na sociedade, funções começarão a aparecer. Dessa forma, áreas profissionais se abrem, garantindo formação contínua de pessoas. 

Empreendedorismo 

Com novos profissionais e tecnologias aparecendo, oportunidades de mercado se expandem. Assim, é possível desenvolver robôs que auxiliam em diversas atividades, facilitando a rotina das pessoas, ao mesmo tempo que negócios são gerados. 

Facilidade 

Ao automatizar tarefas, a robótica também garante mais facilidade na rotina das pessoas. Um ponto importante de citar é que, ao contrário do que se afirma, os robôs não irão substituir as pessoas! 

Pelo contrário: conforme eles integrarem nossa rotina, iremos aprender a conviver com eles. O esperado, para os próximos anos, é que seres humanos e máquinas coexistam cada vez mais. 

4 exemplos de empresas que investem em projetos de robótica sustentável  

Diversas empresas investem, desde já, em projetos de robótica sustentável, para garantir o futuro da tecnologia ao mesmo tempo que utilizamos os recursos naturais da melhor forma. 

Cada vez mais, a robótica será inserida em processos dentro das empresas. E, para isso, é fundamental que ela seja sustentavelmente consciente! 

O interessante é que essas ideias não estão apenas dentro de uma área da sociedade, de forma que a robótica sustentável possa impactar (e ajudar) diferentes realidades. Pensando nisso, conheça algumas empresas que se preocupam com o futuro! 

1. CleanRobotics 

A CleanRobotics é uma startup focada em coleta e separação do lixo, a fim de evitar a contaminação de resíduos recicláveis (o que os impossibilitam de serem reutilizados). 

Para isso, desenvolveu o Trashbot, um robô sustentável que analisa os materiais descartados e, a partir disso, faz a separação automática para compartimentos específicos. 

Segundo a própria empresa, o Trashbot possui 95% de assertividade em sua separação, sendo mais assertivo que os próprios seres humanos! 

2. SESI 

O SESI, uma organização nacional, é uma das principais criadoras de projetos de robótica sustentável no país. Para além de criar inovações, a instituição ainda investe na formação de profissionais focados na área de tecnologia do futuro, para que mais pessoas levem essa ideia adiante. 

Como exemplo, podemos citar a plataforma de compostagem inteligente, desenvolvida pela equipe Androids, do SESI Rio Grande do Sul. 

Além de incentivar a separação correta de resíduos recicláveis daqueles que não são, a plataforma possui uma composteira, que reutiliza materiais orgânicos, transformando-os em um excelente adubo. 

Idealizada para condomínios e apartamentos, quem utiliza a composteira ainda ganha desconto na taxa condominial, além de receber o adubo produzido por ela para usar em hortas caseiras. 

3. Raks 

Focada em robótica sustentável para a agricultura, a Raks é especializada em irrigação. Por meio de mecanismos inteligentes, é possível entender quando regar o plantio, além de qual a dosagem de água necessária. 

Saiba QUANDO e QUANTO irrigar com a Raks 

O sistema leva em consideração diversos fatores, como clima, tipo de solo e de cultura, umidade e muito mais. 

Dessa forma, além de garantir a saúde do plantio, a Raks consegue economizar o desperdício de água. A empresa, ainda, se integra com três dos objetivos de desenvolvimentos sustentáveis da ONU (fome zero e agricultura sustentável, consumo e produção responsáveis e ação contra a mudança global do clima). 

4. Adroit Robotics 

Por fim, a última empresa de robótica sustentável da lista é a Adroit. Focada em soluções para agricultura de precisão, a empresa visa apoiar negócios ao mesmo tempo que economiza recursos naturais e garante menos poluição no meio ambiente. 

Além de monitorar o plantio, a Adroit informa a saúde das plantas, demonstra quanto adubar e irrigar. Também apresenta quanto de agrotóxico adicionar nas plantas, de acordo com o cultivo. 

Logo, além preservar o meio ambiente, garante que haverá menos toxinas sendo eliminadas no solo. 

A tecnologia do futuro ajuda a criar uma sociedade mais consciente com as questões ambientais. O Tinbot, robô desenvolvido pelo Grupo DB1, é um excelente exemplo! 

Além de apoiar empresas e instituições em recepções e eventos, o robô faz parte de uma empresa que se preocupa com questões ambientais em sua cultura. Separação de resíduos e estrutura com economia de energia, por exemplo, são parte da rotina de toda a companhia. 

Para saber mais sobre como o Tinbot colabora para a robótica sustentável, acesse o site da empresa e confira detalhes

A tecnologia tem tornado cada vez mais possível a inserção de robôs no dia a dia. Isso mesmo: para além dos filmes, é possível criar uma casa inteligente, que une robótica com segurança, acessibilidade e até economia de energia! 

Com a chegada mais frequentes de dispositivos inteligentes nas lojas, é possível criar um lar com tecnologia e conforto. De tomadas até eletrodomésticos mais robustos, já é possível encontrar itens que podem ser controlados remotamente, utilizando a internet. 

Dessa forma, termos como automação residencial e casa inteligente se tornam bastante comuns, além de estarem completamente conectados com robôs no dia a dia. 

Se você está pensando em tornar sua casa mais conectada e quer compreender mais sobre o assunto, basta continuar a leitura deste texto. Além de explicar os termos técnicos, apresentaremos vantagens e exemplos. Confira! 

O que é automação residencial?  

Antes de compreender o que é uma casa inteligente, é importante conhecer a automação residencial. O termo se refere à construção de um lar que pode ser controlado remotamente, por meio de dispositivos integrados e internet. 

A automação residencial traz mais segurança para sua casa, por meio de fechaduras inteligentes, por exemplo. 

Atualmente, existem diversos dispositivos que podem ser controlados do celular, como lâmpadas, tomadas, fechaduras, aspiradores, máquinas de lavar roupas, lavadoras de louças e até geladeiras. 

Chamados de dispositivos inteligentes, eles podem ser controlados remotamente, mesmo quando você não está em casa. Vamos supor que você saia para trabalhar e, na correria, esqueceu de ligar a máquina de roupas. 

Com um dispositivo inteligente, é possível programar o ciclo completo utilizando seu celular, mesmo sem estar em casa.  

Dessa forma, quanto mais dispositivos inteligentes você agrega ao seu lar, mais a automação residencial se aplica. E, aos poucos, é possível contar com uma casa inteligente robusta e integrada. 

O que é uma casa inteligente?  

Compreendendo o que é automação residencial, torna-se mais simples compreender a casa inteligente. Afinal, os termos estão diretamente relacionados. 

Logo, uma residência inteligente é aquela construída com dispositivos capazes de automatizar o controle da casa. E, caso o seu lar ainda não conte com essas tecnologias, saiba que é possível investir nelas aos poucos! 

A questão é se organizar para adquirir os dispositivos que fazem sentido dentro da sua rotina. Uma ideia é começar por itens menores, como lâmpadas e fechaduras. 

As lâmpadas inteligentes podem ser controladas à longa distância, por um celular. Além de ligar e desligar o dispositivo, é possível mudar sua cor e até a intensidade da luz. 

As lâmpadas inteligentes trazem mais controle e praticidade para a rotina. 

As fechaduras são bastante similares. Com elas, é possível abrir portas para entregas, manutenções e limpeza, por exemplo, de qualquer lugar. 

Os eletrodomésticos são outros dispositivos que estão cada vez mais automatizados. Aspiradores, lava-louças, máquinas de roupa, geladeiras, aparelhos de ar-condicionado, fornos e outros itens de uso comum podem ser adquiridos com tecnologia inteligente, para serem controlados via celular. 

Caso você ainda não consiga investir em itens maiores, pode contar com as tomadas inteligentes! Basicamente, elas podem ser ligadas e desligadas remotamente. Não funciona para todos os eletrodomésticos, no entanto, para ares-condicionados e máquinas de lavar, podem ser uma boa opção. 

Outro item que não pode ficar de fora da lista são as assistentes virtuais, como a Alexa. Presente na residência de muitas pessoas, elas ajudam funcionam para lembretes, pedir comida, ouvir música e, quando conectada a outros dispositivos inteligentes, podem controlá-los! 

Dessa forma, a casa inteligente é a união de várias tecnologias que podem ser automatizadas e controladas com o auxílio de outros dispositivos e da internet. Quanto mais itens você tiver, mais conectado será seu lar. 

Como a robótica pode ser usada no dia a dia?  

Inserir os robôs no dia a dia e construir uma casa inteligente apresenta inúmeras vantagens, bastante úteis na rotina de cuidados com a residência. 

Pensando nisso, separamos os principais usos de robótica dentro de casa, assim como as vantagens que eles podem apresentar. Confira! 

Conforto 

Antes de mais nada, ter um robô para casa traz mais comodidade. Afinal, eles facilitam diversas tarefas e tornam as atividades manuais automatizadas. 

Ao controlar sua casa de qualquer lugar, você conta com mais praticidade e conforto. 

Como exemplo, podemos citar o robô assistente, como a Alexa, que garante que você não esquecerá nenhum lembrete ou compromisso. Além disso, quando conectada com outros dispositivos inteligentes, ela pode controlar as luzes, ligar o gelo rápido da geladeira e muito mais. 

Como já citado, os dispositivos podem ser controlados por celulares. Este ponto garante que, mesmo de longe, será possível realizar tarefas em casa, como pedir ao robô aspirador que limpe os cômodos. 

Segurança 

Existem dispositivos inteligentes focados especialmente em segurança, como câmeras, sensores de movimento, fechaduras por impressão digital e até robô assistente conectado a empresas de segurança. 

Dessa forma, mesmo quando você não está em casa, consegue acessar os ambientes da residência e garantir que está tudo em ordem. 

Acessibilidade 

Ao permitir controle por voz e por celulares mesmo sem estar próximos aos aparelhos domésticos, a casa inteligente também proporciona mais acessibilidade para seus moradores.  

Uma casa inteligente é mais acessível, já que pode ser controlada de diferentes formas.

Além disso, diversos dispositivos podem ser programados para serem acionados dentro de uma rotina. Por exemplo, você pode customizar algumas lâmpadas da casa para acenderem, automaticamente, às 18h30. 

Logo, se torna mais acessível controlar e até organizar a residência, afinal, consegue controlar aparelhos mesmo quando está no trabalho ou viajando. 

Economia de energia 

Por fim, os dispositivos inteligentes geram economia de energia. Afinal, você consegue controlá-los conforme precisa, garantindo que as luzes não ficarão ligadas além do necessário ou que a máquina de lavar continuará funcionando mesmo após finalizar o ciclo. 

Outra vantagem é que um robô para casa inteligente, geralmente, demonstra o consumo de energia em seu aplicativo. Em outras palavras, é possível conferir quanto determinado aparelho está gastando, antes mesmo da fatura fechar. 

Dessa forma, também consegue ter visibilidade de qual eletrodoméstico inteligente está consumindo mais energia e controlar melhor o uso dele. 

Como deixar uma casa inteligente?  

Criar uma casa inteligente pede planejamento e organização. Afinal, será preciso realizar alguns investimentos até comprar os dispositivos desejados. Entenda melhor como se preparar! 

Estabeleça prioridades 

Pesquise qual robô para casa inteligente você deseja e, a partir disso, crie uma lista com os principais dispositivos. Afinal, existem muitas opções no mercado, desde tomadas até geladeiras. 

Por isso, entender quais são as prioridades é fundamental para adquirir itens que realmente serão úteis.  

Planeje-se 

Como qualquer investimento, uma casa inteligente requer planejamento financeiro. Como alguns itens possuem um alto custo, é preciso organização para comprá-los sem ter problemas. 

Assim como qualquer investimento, é preciso se planejar para criar sua residência inteligente. 

 Por outro lado, dispositivos como robô assistente e lâmpadas inteligentes costumam ter um valor mais baixo. Por isso, podem ser uma boa maneira de iniciar a construção da automação residencial. 

Pesquise as marcas 

Como todo produto, existem diversas marcas fabricando robôs inteligentes para residências. Conhecer as opções é fundamental para adquirir aquela que possui melhor custo-benefício. 

Da mesma forma, pesquisar as marcas e modelos ajuda a encontrar opções que realmente trarão economia financeira, uma das vantagens em montar uma casa inteligente. 

Fique atento a promoções 

Datas promocionais, como Black Friday e Dia do Consumidor, costumam realizar inúmeras promoções de eletrônicos. Nesses momentos, aproveitar para adquirir os itens para sua casa inteligente é uma excelente opção! 

3 opções de robôs para deixar uma casa inteligente  

Entendendo mais sobre automação residencial, suas vantagens e como se planejar para construir uma casa inteligente, é o momento de conferir opções de robôs disponíveis no mercado. 

Alexa 

Segundo a Amazon, os brasileiros utilizaram a Alexa mais de 2 bilhões de vezes em 2023. Este robô assistente é extremamente popular e pode ser utilizado em diversas tarefas da casa. 

Além de realizar lembretes e servir como toca música, a Alexa possui jogos, pode realizar compras e se conecta com outros dispositivos inteligentes da casa (permitindo o controle deles por voz). 

Por ter uma utilização ampla, este é um dos primeiros robôs para casa que as pessoas costumam investir. 

Robô aspirador 

Outra opção bastante popular são os robôs aspiradores. Disponíveis em diversas marcas e modelos, além de remover poeiras, alguns chegam a passar pano na casa! 

O robô aspirador é um dos itens mais desejados quando o assunto é automação residencial. 

Neste caso, ficar atento ao modelo adquirido é fundamental. Existem aqueles mais simples, que aspiram em linha reta e mudam de direção ao bater em algum móvel, e os mais robustos, que escaneiam a casa e fazem uma limpeza mais completa. 

Máquina de lavar Smart 

Esta opção possui um valor aquisitivo mais elevado, porém é excelente para quem tem uma rotina corrida. A máquina de lavar smart pode ser completamente controlada pelo celular e possui uma vasta personalização de ciclos. 

Assim, você consegue controlar para que peças mais delicadas não sejam centrifugadas, ao mesmo tempo que pode iniciar um ciclo mais longo para roupas muito sujas. 

Por ser um dispositivo inteligente, pode ser conectado à Alexa, de forma que o robô assistente inicia ciclos e avisa quando foram finalizados. 

Agora que você já conhece mais sobre casa inteligente, é o momento de se aprofundar no universo da robótica. No blog do Tinbot, você confere vários conteúdos sobre o tema. Clique e confira! 

Por décadas, robôs interativos (ou até mesmo os robôs móveis) pareciam um sonho distante. Os robôs estiveram confinados predominantemente a ambientes industriais e laboratórios especializados. Contudo, um marco significativo na evolução robótica ocorreu nos anos 1980, quando a Honda iniciou o desenvolvimento do P3, um robô humanóide capaz de caminhar, acenar e cumprimentar de maneira impressionante.

Esse esforço pioneiro culminou no Asimo, um robô que não apenas exibia habilidades extraordinárias, mas também teve o privilégio de jogar bola com o ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em 2014. 

Hoje, a presença de robôs interativos avançados tornou-se onipresente, e essa revolução é impulsionada por três tecnologias-chave: sensores, atuadores e inteligência artificial. A convergência desses elementos tem desencadeado uma nova era na robótica, transcendendo as fronteiras das fábricas e laboratórios, e inserindo-se em diversos setores. 

A interseção entre robótica e inteligência artificial tem sido particularmente intrigante nos últimos anos. O surgimento de robôs inteligentes, capazes de realizar tarefas complexas como navegação autônoma, manipulação de objetos e interação com seres humanos, tem capturado a atenção de pesquisadores, entusiastas e do público em geral.

Neste artigo, vamos nos aprofundar no fascinante mundo da robótica e esclarecer a diferença entre um robô móvel e robôs interativos! Explore suas aplicações, desafios e o impacto transformador que estão exercendo em nossa sociedade. 

O que é um Robô Inteligente? 

A compreensão do que define robôs inteligentes vai além de sua mera execução de tarefas. Em um sentido mais abrangente, um robô inteligente é caracterizado por sua capacidade de interagir eficientemente com um ambiente de informações incerto 

Essa interação é viabilizada por um modelo do mundo externo ou ambiente interno, essencial para que o robô atue de maneira autônoma. Para que essa autonomia seja dinâmica e eficaz, é imperativo que o modelo do mundo seja implementado como uma base de conhecimento em constante evolução. 

Além disso, robôs inteligentes possuem um sistema de controle de metas define a hierarquia e a ordem de atingir metas estabelecidas, destacando a importância da capacidade de aprendizagem e adaptação. Em suma, a verdadeira inteligência de um robô é evidenciada pela capacidade de resolver problemas formulados de maneira geral, reduzindo ao máximo a intervenção humana na formulação da tarefa. Essa abordagem mais holística reforça a ideia de que a inteligência de um robô vai além da execução mecânica de tarefas, adentrando o domínio da compreensão, aprendizado e adaptação autônoma. 

Leia também: Ferramenta para simplificar integrações 

Robô móvel 

Um robô móvel, na essência, é um dispositivo equipado com a capacidade de movimento autônomo, permitindo-lhe deslocar-se de um local para outro de forma independente. Essa mobilidade é crucial para que o robô possa interagir efetivamente com o ambiente ao seu redor, executando tarefas específicas conforme necessário.  

Os atuadores desempenham um papel fundamental nesse processo, funcionando como os "membros" do robô, incluindo manipuladores e mecanismos de locomoção. Por meio de servoacionamentos, peças mecatrônicas e outros componentes técnicos complexos, esses atuadores capacitam o robô a agir sobre objetos e navegar em seu entorno, assim como os braços e pernas de organismos vivos. 

A interação do robô móvel com o ambiente é facilitada pelos sensores, que desempenham o papel dos "sentidos" do robô. Esses sensores incluem sistemas de visão, audição, tato, sensores de distância, localizadores e outros dispositivos que fornecem informações valiosas sobre o mundo ao redor do robô.  

Quais as Principais Diferenças? 

A diversidade de robôs móveis é notável, e entender suas variações é crucial para escolher a tecnologia mais adequada para aplicações específicas. Dentre os tipos de robôs móveis, os carrinhos com rodas são amplamente utilizados em ambientes industriais, especialmente os Autonomous Mobile Robots (AMRs). Estes robôs, apesar de sua simplicidade, oferecem um excelente custo-benefício e robustez, destacando-se pela capacidade de carga superior. 

Veja os principais tipos de robôs móveis: 

Carrinhos com Rodas 

Os AMRs industriais, predominantemente veículos de rodas, são exemplos eficazes dessa categoria. Sua presença em ambientes industriais é marcada pela versatilidade e resistência, proporcionando uma solução eficiente para o transporte autônomo de cargas. 

AGVs e AMRs 

Outro tipo de robô móvel inclui os Automated Guided Vehicles (AGVs) e os AMRs. Enquanto os AGVs seguem guias no solo para definir sua rota, os AMRs são mais avançados, adaptando-se de maneira autônoma a obstáculos no ambiente. Essa flexibilidade confere aos AMRs a capacidade de operar de forma independente, ampliando seu escopo de aplicações em comparação aos AGVs. 

AMR com Braço Robótico Colaborativo 

Uma inovação notável é a integração de braços robóticos colaborativos em AMRs. Essa combinação eleva as possibilidades de uso, expandindo as capacidades desses robôs autônomos. Por exemplo, a automação da alimentação de máquinas e a flexibilização do transporte de materiais são alcançadas por meio da complementaridade entre a mobilidade autônoma e a manipulação de objetos com o braço robótico. 

Aplicações dos Robôs Móveis 

Os robôs móveis têm o propósito fundamental de otimizar tarefas que consomem tempo e recursos, especialmente aquelas relacionadas ao deslocamento. Em ambientes como armazéns e fábricas, onde o deslocamento consome uma parcela significativa do tempo de trabalho, os robôs móveis assumem um papel crucial. Algumas aplicações padrão incluem a separação de peças e embalagens, transporte interno de materiais e entrega para consumidores. 

Com a adição de braços robóticos colaborativos, as operações se expandem para incluir tarefas mais complexas, como paletização, empacotamento e inspeção de qualidade em diferentes pontos da linha de produção. Essa convergência de mobilidade autônoma e manipulação avançada destaca os robôs móveis como agentes essenciais na evolução da eficiência e automação industrial 

Em contrapartida, como robôs interativos para encantar pessoas pela inovação, os robôs móveis podem deixar a desejar. Isso porque os sensores que reconhecem o ambiente e os rostos ainda não alcançaram um nível satisfatório, e muitas vezes, os robôs podem “sair andando” de interações ou até mesmo caírem de alturas que prejudiquem sua estrutura.

O que é um Robô Interativo 

Por outro lado, os robôs interativos destacam-se pela capacidade de envolver e interagir com os usuários de maneira mais direta. Esses robôs são frequentemente vistos em setores como atendimento ao cliente, educação, eventos e até mesmo entretenimento. Pense em um assistente virtual que responde às suas perguntas, mas agora na forma simpática de um robô social. 

O robô interativo representa uma faceta fascinante da Inteligência Artificial (IA), destacando-se pela capacidade de interagir de maneira dinâmica e adaptativa com os usuários. Essa interação é impulsionada pelo funcionamento intrínseco da IA, que permite a atribuição de condições específicas para análise de dados e, posteriormente, a obtenção de aprendizados automáticos por meio do Aprendizado de Máquina. Esses aprendizados não apenas elevam a acurácia do robô de IA nas atividades atuais, mas também proporcionam melhorias substanciais em futuras interações. 

Leia também: Inteligência artificial nas empresas: o futuro já é realidade! 

Um exemplo tangível desse funcionamento é a aplicação de Chatbots, que possibilitam diálogos interativos entre usuários e sistemas baseados em IA. Ao interagir com o sistema, a inteligência assimila informações, inclusive gírias e abreviações comuns, aprimorando continuamente sua capacidade de compreensão. A tecnologia do Chatbot vai além da automação de respostas em um FAQ, permitindo a criação de diálogos mais complexos e a resolução de dúvidas de forma eficaz, sem a necessidade de intervenção humana. 

Quais as Principais Diferenças? 

O principal diferencial de um robô interativo reside na sua capacidade de criar uma experiência de interação mais fluida e personalizada entre humanos e máquinas. Ao compreender nuances da linguagem e adaptar-se a padrões de comunicação específicos, esses robôs transcendem as limitações convencionais, proporcionando um ambiente de conversação mais natural e eficiente.  

Essa interação mais sofisticada não apenas aprimora a eficiência nas respostas a perguntas comuns, mas também permite a condução de diálogos mais complexos, ampliando as possibilidades de automação em diversos setores. 

Leia também: Robôs com inteligência artificial: futuro para empresas tech 

Além disso, a autonomia dos robôs interativos na compreensão e resposta a consultas frequentes libera recursos humanos para tarefas mais estratégicas e criativas. Essa automação de interações simples não apenas otimiza o atendimento ao cliente, mas também impulsiona a eficiência operacional em áreas como suporte técnico, consultas de informações e muito mais. Assim, os robôs interativos desempenham um papel crucial na transformação da interação humano-máquina, proporcionando uma resposta dinâmica e eficaz às demandas de um mundo cada vez mais digital! 

Exemplos de robôs interativos: 

 

Tinbot

O Tinbot é um personagem famoso com mais de 50 milhões de visualizações nas redes sociais! Simpático e  potencializado com a tecnologia do ChatGPT, esse robô pode ser configurado com perguntas e respostas de forma expressiva, surpreendente e útil para empresas que precisam inovar. 

 

u-Robot 

O u-Robot também conta com ChatGPT, porém, seu conceito é mais voltado para a personalização. Ou seja, é um robô feito para falar pelas marcas, sendo totalmente personalizável. É possível definir sua personalidade do zero, além de optar por uma aparência feminina ou masculina. No “peito” do robô, o cliente pode decidir o que estará estampado, seja seu logotipo ou outra opção de design. 

 

O Que Esperar da Robótica em 2024 

O cenário da robótica está em constante evolução, e 2024 promete trazer avanços significativos. A integração de inteligência artificial, aprendizado de máquina e outras tecnologias inovadoras impulsionará ainda mais o desenvolvimento de robôs mais sofisticados e eficientes. 

Neste contexto, os robôs interativos estão destinados a desempenhar um papel crucial, proporcionando interações mais humanizadas e aprimorando as experiências em diversos setores. 

Ao longo deste artigo, exploramos as características, funcionalidades e aplicações distintas dos robôs móveis e interativos. Para ficar por dentro das últimas tendências em inteligência artificial e robótica, continue explorando o blog e não deixe de conhecer mais sobre a Tinbot Robótica: 

Conheça a Tinbot Robótica, a empresa pioneira em robôs com inteligência do Chat GPT no Brasil.           

 

Com a chegada da inteligência artificial e o avanço digital, robôs interativos, realidade aumentada, 5G e outras tecnologias inovadoras começaram a tomar conta da nossa rotina. Evidentemente, o mesmo aconteceu com as empresas, que podem usar esses sistemas a seu favor! 

Afinal, é certo que a tecnologia em 2024 continuará se desenvolvendo em tempo recorde. Por isso, conhecer os tipos de inovações e a vantagem que eles agregam para os mais diversos tipos de empresas é fundamental. Dessa forma, você usa as tendências a seu favor. 

Por isso, neste texto, separamos os principais tipos de tecnologia do mercado, junto daquelas que estão sendo apontadas como tendências futurísticas. Assim, você compreende suas vantagens e consegue organizar a equipe para otimizar processos e surpreender clientes e colaboradores. Continue a leitura e confira! 

O que esperar da tecnologia em 2024? 

Desde a pandemia, o setor de inovação cresceu 60%. Só no Brasil, em 2023, o crescimento previsto era de 6,2%. Logo, o esperado é que tecnologias inovadoras continuem surgindo em 2024. Além disso, certamente teremos o avanço daquelas já existentes, que serão mais desenvolvidas. 

A inteligência artificial, realidade virtual, 5G, machine learning e outras novas tecnologias tomarão proporções ainda maiores, sendo cada vez mais parte da rotina. Esse movimento já vem acontecendo, e podemos percebê-lo no lançamento de óculos imersivos e na presença de IA no Google, por exemplo. 

Nas empresas, as tecnologias inovadoras, como inteligência artificial e machine learning, podem ajudar a otimizar processos e automatizar situações do dia a dia. Além disso, a robótica pode ser inserida na experiência dos clientes (com o Tinbot, por exemplo!). 

Mudanças no mercado de trabalho também podem ser esperadas como resultado do uso da tecnologia em 2024. Profissionais que conseguem trabalhar junto de IAs e robôs interativos serão cada vez mais relevantes. Mais do que a área de desenvolvimento de software, todas serão impactadas. 

Por isso, a dica é separar tempo para estudar as tecnologias do mercado. É importante que as usemos como aliadas, para facilitar o que é possível. Ao mesmo tempo, nossa expertise e habilidade de raciocínio serão mais valiosas, pois são o que nos diferencia! 

Quais são os tipos de inovação para empresas? 

Compreendendo a expansão da tecnologia em 2024, é válido conhecer os tipos de inovação para empresas. Nas companhias, esse termo se refere à ação de encontrar uma maneira mais otimizada de lidar com o dia a dia, seja nos produtos, nos serviços ou nos processos. 

Os tipos de inovação empresarial conseguirão direcionar se usamos, por exemplo, internet das coisas para facilitar manuntenção de salas ou se usaremos robôs interativos (IAs) para automatizar respostas ao usuário. Por isso, é interessante conhecer as quatro ramificações das tecnologias inovadoras nos negócios. Confira abaixo! 

Inovação de produto ou serviço 

Este tipo de inovação consiste no lançamento de soluções nos produtos ou serviços. Pode ser mudar a interface de um software, facilitando seu uso, ou lançar uma versão melhorada de determinado item, como o u-Robot, robô com inteligência artificial integrada da família Tinbot. 

Este tipo de inovação impacta diretamente na sustentabilidade e no crescimento do negócio. Ao lançar um novo item no seu site ou identificar uma nova maneira de prestar seus serviços, você aumenta as chances de conversão e atrai mais clientes, pois atende às necessidades das pessoas. 

Por isso, é fundamental conhecer sua base de clientes, para compreender o que eles estão pedindo. Realizar pesquisas com usuários e consumir estudos de público, além de realizar análises da sua base, é uma excelente maneira de lançar tecnologias inovadoras na sua empresa! 

Inovação de processo 

Inovação de processos consiste em otimizar, melhorar ou solucionar alguma dor ou ponto em como sua empresa se organiza. Pode ser facilitar caminho de conversão, entregar em 24h, automatizar o software de gestão de pedidos ou até reorganizar reuniões do time. 

Para inovar nos processos, é importante passar por uma etapa de avaliação e análise. Definir um foco também é uma ótima ideia! Por exemplo: você vai melhorar a jornada dos clientes ou a operação? A partir disso, é válido realizar brainstormings para pensar em possibilidades. 

É válido citar que rotinas simples podem ser inovadas e trazer grandes resultados. Um software que centraliza toda a gestão da sua operação certamente facilitará a comunicação e a visão de várias frentes do negócio do que o uso de várias ferramentas! 

Inovação de marketing 

Quando falamos de inovação de marketing, nos referimos a mudanças no processo comercial e de marca da sua empresa. Pode ser utilizar uma ferramenta que automatiza disparos de e-mails ou realizar um rebranding completo, que reposiciona seu negócio no mercado. 

Conforme o mercado muda, as inovações de marketing se tornam mais necessárias. No entanto, elas devem ser levadas em consideração até em processos mais simples, como usar IA para facilitar a criação de artes. 

As melhores pessoas para identificarem este tipo de novas tecnologias é a equipe de marketing. Por isso, vale alinhar com o time a importância de contar com inovação no dia a dia, além de estimular o estudo sobre ferramentas e softwares disponíveis no mercado. 

Inovação organizacional 

Inovação organizacional consiste em inserir o uso de tecnologias inovadoras como parte da cultura da sua empresa. Logo, passa a ser uma visão de negócio compartilhada internamente, entre os times. 

A partir disso, a inovação se torna tema de reuniões, conversas e treinamentos. Ela se torna parte da rotina empresarial, de forma que toda sua equipe volta o olhar para isso. O ponto positivo é que encontrar soluções tecnológicas vira parte do dia a dia. 

Para contar com inovação organizacional, é preciso realizar alinhamentos com toda a empresa e nutrir o comportamento no dia a dia. Contar com as lideranças nesse processo é fundamental, para que esta cultura seja compartilhada por todos os times. 

O ponto positivo é que este tipo de inovação beneficia a de produtos, serviços, processos e marketing. Afinal, quando mais de uma pessoa incorpora um pensamento focado em novas tecnologias, se torna mais simples encontrar soluções para diferentes situações e problemas. 

5 tendências de tecnologias inovadoras para investir em 2024 

Após conhecer os tipos de inovação presentes nas empresas, é o momento de conhecer as tecnologias do mercado que são destacadas como tendências para 2024. Assim, você consegue inseri-las na sua operação com assertividade. Confira! 

1. Inteligência artificial e machine learning 

Provavelmente, a inteligência artificial já faz parte das tecnologias inovadoras utilizadas na sua operação. Geralmente utilizadas por meio de chats (como ChatGPT), elas podem agilizar várias rotinas, como brainstorming, redação de e-mails e até preparação de fórmulas para planilhas. 

É válido destacar que a IA não está restrita apenas ao chat! Elas podem ser utilizadas em ferramentas de design, no tratamento de dados, na automatização de respostas e até na robótica da sua empresa. Como exemplo, podemos citar o Tinbot, que pode recepcionar visitantes e colaboradores com inteligência artificial! 

O machine learning, por sua vez, é uma área da inteligência artificial. Ele pode ser entendido como a habilidade de sistemas de aprender conforme são utilizados. Existem alguns tipos de aprendizado de máquina, que são úteis para diferentes necessidades. É válido aprofundar no tópico para usá-lo a seu favor! 

Para 2024, essas tendências surgem para otimizar processos e facilitar rotinas. Afinal, com a IA, tempo é poupado, de forma que a equipe consegue focar em outras demandas mais estratégicas. 

2. Realidade aumentada e realidade virtual 

Duas tecnologias do mercado em ascensão, a realidade aumentada e virtual se torna cada vez mais parte dos negócios. Para compreender as vantagens de ambas, é válido dar um passo atrás e distingui-las! 

A realidade aumentada consiste no uso da conexão entre nosso mundo e o digital. Como exemplo, podemos citar ferramentas que projetam móveis na sala, para conseguirmos visualizar como ficarão, ou provadores virtuais, que permitem visualizar produtos em nossos corpos. 

Já a realidade virtual se trata de um mundo digital, como o metaverso. São espaços disponíveis apenas nos ambientes não físicos, no qual podemos criar avatares. Muitos segmentos, como o de moda e o imobiliário, estão investindo nessa tendência! 

Essas tecnologias, em 2024, trarão vantagens a depender do segmento. Quem atua com e-commerce pode tirar vantagem da realidade aumentada. Já setores que despontam como tendência no metaverso podem investir na virtual. 

3. Blockchain 

O blockchain é uma tecnologia em que informações de uma empresa são compartilhados em cadeia, de maneira transparente e confiáveis, pois solicitam aprovação e comprovação das pessoas envolvidas no processo. É uma maneira segura de lidar com diferentes processos, como pagamentos, pedidos e transações. 

Basicamente, o blockchain impede que modificações de dados sejam feitas sem consentimento das pessoas envolvidas. Logo, caso uma venda ocorra em um sistema blockchain, que paga e quem recebe precisa validar as transações, de forma que a segurança é um fator bastante relevante no sistema. 

Podemos citar esta como uma das tecnologias inovadoras para 2024 porque, cada vez mais, a segurança de dados é uma pauta nos ambientes virtuais. Dessa forma, pode ser utilizada por diferentes segmentos para evitar inconformidades. 

4. Internet das coisas 

Outra tendência de tecnologia para 2024 é a internet das coisas, um termo técnico para práticas bastante presentes no dia a dia. O termo se refere à conexão de itens cotidianos às redes virtuais. Como exemplo, podemos citar lâmpadas inteligentes, assistentes virtuais e carros e relógios inteligentes. 

Para além de trabalhar com esses produtos para clientes, a oportunidade é utilizá-los na sua empresa, para controlar salas ou surpreender colaboradores e parceiros. Além de criar uma experiência, a internet das coisas pode poupar energia e otimizar tempo. 

5. Robôs interativos 

Por fim, vale citar a área da robótica, que desponta como tendência com base na interatividade. Para além da Alexa, que já se faz presente na vida de várias pessoas, outros robôs aparecerão, inclusive nas empresas! 

Seja na recepção, na apresentação de eventos ou em ocasiões especiais, os robôs interativos serão parte da nossa rotina de 2024 em diante. Por isso, vale analisar sua operação e encontrar oportunidades para inseri-los no cotidiano. 

Quando falamos de robôs interativos, falamos do Tinbot! A família de robótica pioneira no Brasil consegue apresentar eventos, trabalhar na recepção e desenvolver experiências únicas para os mais variados tipos de empresas — inclusive, utilizando inteligência artificial! 

Para contar com mais de uma das tecnologias inovadoras na sua empresa, acesse o site do Tinbot e conheça os diferentes robôs interativos! 

Com o avanço cada vez mais acelerado da inteligência artificial nos diferentes setores das nossas vidas (do trabalho à vida pessoal), diversos termos e expertises começam a se tornar recorrentes. Um deles é a engenharia de prompt, processo em que seres humanos alimentam IAs para que elas ajam conforme desejado. 

Se você deseja conhecer mais sobre prompt engineering e sua relação com a inteligência artificial, basta continuar a leitura deste artigo! Ao final, você ainda entende melhor o que é um engenheiro de prompt e como seguir nesta carreira, que é apontada como tendência em diversos relatórios de mercado. 

O que significa prompt?

Antes de compreender o que é engenharia de prompt e sua relação com IAs, vale  conhecer o prompt. Trata-se de um texto ou de um símbolo que pede à inteligência artificial o desenvolvimento de determinada ação. São os insumos que geramos para receber respostas. 

Para exemplificar, um prompt no ChatGPT é a mensagem que você digita no chat e que irá gerar a resposta da ferramenta. Em dispositivos ativados por voz (como o Tinbot ou a Alexa), o prompt é cadastrado por engenheiros, para que eles respondam quando você perguntar ou solicitar algo. 

ChatGPT: o que é?

Caso você ainda não esteja familiarizado, é interessante entender o que é o ChatGPT. Trata-se de uma IA generativa, que aprende conforme é utilizada e consegue adaptar suas respostas de acordo com diferentes prompts.  

A tecnologia utilizada consegue adaptar sua mensagem com diferentes prompts se referindo ao mesmo assunto. Dessa forma, se torna extremamente útil para diferentes tarefas, desde construir planilhas até pedir receitas, inclusive quando as maneiras como a pessoa constrói suas perguntas e solicitações são alteradas. 

Exemplificando, se eu digitar um prompt no ChatGPT pedindo “me fale sobre engenharia de prompt” e outra pessoa pedir “o que é engenharia de prompt?”, as respostas serão parecidas, pois a ferramenta compreende comandos de forma adaptável.

O que é prompt em IA? 

Quando falamos de IAs, o prompt é o que permite que o robô com inteligência artificial tenha uma conversa. Utilizando prompt engineering, os engenheiros cadastram comandos previamente, para que seja possível estabelecer uma interação natural e que pareça, ao máximo, humanizada. 

Logo, são solicitações de prompts que nós, pessoas, fazemos às inteligências artificiais, utilizando texto, símbolos ou voz. As IAs são treinadas previamente para darem diferentes respostas, o que permite que o robô com inteligência artificial estabeleça uma conversa conosco. Quanto mais preparadas e treinadas forem essas ferramentas, melhor será a interação! 

5 recursos prompts para usar em IAs 

Compreendendo o que é engenharia de prompt, o que de fato é um prompt e qual sua relação com inteligência artificial, é importante conhecer quais são algumas solicitações que podemos fazer para as IAs no dia a dia, que facilitarão sua rotina. 

É válido destacar que as possibilidades são inúmeras! A melhor forma de conhecer mais sobre elas é testando, utilizando as IAs disponíveis e compreendendo, a fundo, como elas se comportam e quais as possibilidades de respostas que essas ferramentas podem dar de acordo com o prompt inserido. 

Para te ajudar nesta tarefa, separamos alguns recursos interessantes, que podem, inclusive, ser utilizados como prompt no ChatGPT. Confira! 

1. Geração de conteúdo

Provavelmente, essa é uma das maneiras mais tradicionais de utilizar a engenharia de prompt no dia a dia. Você acessa o robô com inteligência artificial, conversa solicitando qual conteúdo ele deve gerar e receberá um texto de acordo com suas especificações. 

A dica, nesse caso, é ser bastante específico. Insira o assunto que ele deve abordar, limite de caracteres e outras informações relevantes para que o conteúdo gerado seja assertivo e atenda sua necessidade. Assim, seu prompt no ChatGPT (ou em outras IAs) será efetivo! 

Caso a inteligência artificial não atenda o que você precisa de primeira, teste diferentes comandos para encontrar o que melhor se encaixa ou, inclusive, aprofunde os prompts e una os conteúdos. Lembrando que revisar os textos é fundamental para evitar erros! 

2. Revisão de códigos

Pessoas desenvolvedoras podem otimizar sua rotina com as IAs, solicitando análises de código, principalmente quando os erros são difíceis de serem encontrados. Basta inserir um prompt no ChatGPT, por exemplo, pedindo que ele revise determinado código. 

O lado positivo é que a inteligência artificial consegue operar em diversas linguagens de programação, facilitando a demanda independentemente da sua área. Inclusive, para quem está aprendendo sobre desenvolvimento, ela é uma grande aliada!

3. Ajustes em textos de outras línguas 

Independentemente do idioma, as IAs e a prompt engineering podem ajudar na hora da revisão! Afinal, mesmo dominando determinada língua, deslizes gramaticais podem acontecer. Nessas situações, o comando é simples: peça à inteligência artificial que faça a correção de acordo com as normas do idioma. 

Caso esteja em dúvida sobre um ponto em específico, como vírgulas, vale a pena segmentar o prompt, solicitando a correção deste detalhe. Além disso, a IA pode traduzir determinado texto. Nesse caso, assim como na geração de conteúdo, é importante fazer a revisão! 

4. Geração de ilustrações

Existem inteligências artificiais focadas em desenvolver imagens, que podem ajudar na hora de destravar a criatividade e até criar conteúdo. Como exemplo, podemos citar o Midjourney, o Dall-E, o Canva e o Photoshop. Todos esses softwares contêm integração com IA, capazes de agilizar demandas. 

O funcionamento dessas IAs é semelhante às de geração de texto: basta inserir o comando que a engenharia de prompt irá gerar a imagem solicitada. Novamente, quanto mais detalhista você for, melhor será o resultado! 

5. Brainstorming de ideias

Precisa lidar com determinada demanda e não sabe como começar? A inteligência artificial é uma excelente opção! Basta solicitar a ela para realizar um brainstorming sobre determinada pauta, como engenharia de prompt, que ela irá gerar listas de assuntos relacionados e de ideias. 

Utilizar a IA em dinâmicas de brainstorming com o time também é uma ótima opção. Assim, você combina a expertise do robô com inteligência artificial, que conversa com a equipe, com o conhecimento das pessoas, construindo ideias mais ricas e completas. 

Como se tornar engenheiro de prompt?

Agora que você já conhece mais sobre engenharia de prompt e sobre a aplicação delas em inteligência artificial, pode se interessar em se profissionalizar como engenheiro no segmento. Afinal,  segundo o relatório da World Economic Forum, esta área irá crescer mais de 40% até 2027! 

Confira, a seguir, algumas plataformas que oferecem cursos de prompt engineer para você se profissionalizar na área! 

Udemy

Bastante conhecida na área de tecnologia, a Udemy tem diversos cursos de engenharia de prompt para você se capacitar na área. Existem opções em português e em inglês, além de aulas focadas em uma inteligência artificial em específico (como o ChatGPT). 

Blockchain Council

A Blockchain também possui um curso focado em prompt engineer, com direito à certificação! As aulas são em inglês, com acesso totalmente online. O interessante é que esta opção apresenta exemplos e cases pautados em experiências reais, de profissionais da área! 

Microsoft

A Microsoft possui uma documentação focada apenas na área de engenharia de prompt, bastante útil para quem está se especializando na área! O artigo introduz ao tema e aprofunda com exemplos, de forma que aborda diversos temas relacionados ao assunto! 

Agora que você já conhece mais sobre prompt engineering e sobre sua utilização no dia a dia, pode se especializar na área e se aprofundar no tema, conhecendo diferentes tecnologias integradas à inteligência artificial que são ativadas usando comandos de texto ou de voz. 

Para além do ChatGPT, podemos citar o u-Robot, robô com inteligência artificial que conversa com você, clientes, alunos e até audiências de palestras por comando de voz baseado em engenharia de prompt devido à integração com OpenAI. Quer saber mais? Clique e conheça! 

Empresas tecnológicas cada vez mais buscam investir em experiências imersivas, que combinam inovação com acolhimento. Dessa forma, conseguem encantar, entreter e deixar evidente o core da organização. Nesses momentos, os robôs com inteligência artificial se destacam como uma excelente ferramenta, já que atraem a atenção, se conectam com o futuro e podem ser customizáveis de acordo com o negócio. 

Com o avanço da inteligência artificial (IA) — cada vez mais presente em nossas rotinas graças aos chats de interação, como ChatGPT e BART —, empresas tech (e inclusive de outros setores), têm investido em robôs do futuro, capazes de se conectar com IAs para se comunicarem com as pessoas de maneira mais espontânea e humanizada. 

Quer saber mais sobre o assunto e entender como um robô com ChatGPT pode impactar a experiência do cliente e das pessoas colaboradoras de empresas de tecnologia? Então continue a leitura e saiba mais!

Qual o futuro da robótica?

Antes de entender mais sobre a presença de robôs com inteligência artificial nas empresas tech, é importante estar ciente de que, no futuro, essas máquinas serão parte da nossa rotina. Eles integrarão atividades diárias em vários setores de negócio, como saúde, educação e muito mais! 

Conforme a inteligência artificial se desenvolve, robôs do futuro, integrado às IAs, se tornarão mais comuns, realizando diversas tarefas, inclusive automatizando processos simples ou rotineiros. Essas tecnologias se tornarão cada vez mais inteligentes e dividirão atividades com os seres humanos. É importante destacar que não há razão para se preocupar: será uma realidade que desenvolveremos diariamente (o que já acontece!). 

Pense, por exemplo, nos robôs aspiradores, que são parte da vida doméstica de várias famílias. A inserção dessas máquinas será gradual, e elas virão para nos apoiar em demandas cotidianas. Em empresas de tecnologia, por exemplo, poderão apoiar na recepção de convidados, na apresentação de eventos e na criação de experiências customizadas e surpreendentes. 

Nesse sentido, um robô com ChatGPT, por exemplo, pode ser um grande aliado, visto que as oportunidades de customização e de conhecimento de máquina aumentam consideravelmente. Dessa forma, é possível criar experiências mais surpreendentes, divertidas e tecnológicas! 

Entre tantas possibilidades, uma realidade deve ser esperada: iremos conviver com robôs do futuro muito em breve. Eles virão para nos apoiar, auxiliando diferentes setores de serviço, além de empresas tech, na realização de atividades. Por isso, é importante se preparar, para facilitar o trabalho, encantar pessoas e estar conectado à inovação. 

Como a inteligência artificial pode moldar o futuro do trabalho? 

Entendendo o futuro dos robôs com inteligência artificial é importante compreender o impacto dessa presença no futuro do trabalho. Afinal, as IAs já estão presentes em diversas rotinas atualmente, otimizando processos, facilitando tarefas e aumentando a eficiência de atividades extremamente manuais ou mecânicas. 

É certo que a inteligência artificial de automação irá solicitar que nós, seres humanos, nos adaptemos à sua presença. Por isso, compreender como ela funciona, aprender a utilizá-la e inseri-la em nossa rotina é importante. Afinal, os robôs do futuro serão uma extensão na hora de realizar demandas diárias, assim como foi (e é) a internet! 

Quais as tendências para o uso da inteligência artificial com robôs no futuro? 

Fica evidente, então, que os robôs com inteligência artificial serão parte do cotidiano de empresas de tecnologia, assim como de outros setores de negócio. Abaixo, você confere as principais tendências de uso dessa inovação, para ficar por dentro de como inseri-la em sua rotina! 

1. Customização de processos 

Recepção de pessoas, apresentação de eventos, criação de experiências personalizadas, presença em feiras de negócios e até assistente em sala de aula: as possibilidades de uso dos robôs com inteligência artificial são vastas e sempre surpreendentes! A tecnologia pode ser uma componente do seu estande, atraindo mais clientes e pessoas interessadas, por exemplo. 

Para isso, contar com inteligência artificial de é fundamental, visto que a customização dessas tecnologias é mais vasta. Um robô com ChatGPT na recepção da sua empresa tech, por exemplo, é uma forma de interagir com visitantes de forma humanizada, adaptando mensagens, respostas e interações. 

2. Análise de dados avançada 

Além de simplificar atividades diárias, os robôs com inteligência artificial são capazes de armazenar dados importantes para estratégias de negócio e tomadas de decisão. No caso de tecnologias capazes de automatizar envio de mensagem, por exemplo, é possível acompanhar quantas respostas foram dadas pela IA e quantas foram realizadas por pessoas. 

Dessa forma, você consegue analisar quais dúvidas são frequentes, customizar respostas e garantir que o time de atendimento lidará com demandas e questões mais estratégicas para aumentar a conversão. A inteligência artificial com automação atua, nesse sentido, como parte da sua operação, melhorando a eficiência e a performance. 

3. Melhoria da experiência do cliente 

A experiência do cliente é outra grande tendência da inserção de robôs com inteligência artificial na sua estratégia de negócio. Afinal, é surpreendente ser abordado por uma máquina com habilidade de reconhecer o que é dito e formular respostas que podem ser divertidas, sérias e customizadas. 

Imagine, por exemplo, receber uma pessoa convidada ao lado de um robô, capaz de interagir, dançar, demonstrar emoções e muito mais. Além disso, salas de reuniões podem ser controladas por essas máquinas, melhorando seu funcionamento e deixando a experiência ainda mais atraente. 

4. Transformação de modelos de negócios  

Por fim, outra grande tendência é a transformação de modelos de negócios devido à presença de robôs com inteligência artificial. Além de empresas de tecnologia, outros setores do mercado precisarão se adaptar à presença dessas máquinas na operação. Por isso, como seres humanos, é fundamental que estudemos a seu respeito, além de aprender a operá-las. 

Analisar o funcionamento dos robôs com inteligência artificial, aprender sobre seu funcionamento e sobre como trabalhar com eles, analisar prompts de comunicação que dão respostas mais assertivas e se adaptar à existência dessas tecnologias será fundamental para que os modelos de negócio — e as pessoas que atuam em cada um deles — tenham sucesso e desenvolvimento profissional. 

Qual será o impacto dos robôs no trabalho em nossas carreiras nas futuras gerações?

Com a chegada dos robôs com inteligência artificial, será preciso que nos adaptemos à tecnologia e estejamos preparados para lidar com essas máquinas. Afinal, com demandas cotidianas e manuais sendo automatizadas, precisaremos ser cada vez mais estratégicos. 

Assim como toda grande transformação, a chegada de robôs do futuro tende a criar novas necessidades. Será preciso compreender como eles funcionam, saber manuseá-los de forma assertiva, compreender sobre prompts de comando e adaptar nossas habilidades para que elas convivam junto das máquinas. 

Novamente, é válido citar que isso não é uma novidade. Assim como nos adaptamos à internet e às inúmeras tecnologias que surgiram a partir dela, acontecerá com os robôs. A questão, aqui, é ficar atento aos movimentos do mercado de trabalho, para se desenvolver junto de máquinas mais inovadoras e robustas. 

A presença de um robô com ChatGPT e com IA automatizada será, em breve, uma realidade em diversas empresas e segmentos. Por isso, é importante conhecer mais sobre a tecnologia, além de inseri-la no seu negócio para que ele continue inovador e aderente às novas tendências de mercado. 

Na Tinbot Robótica, você garante robôs com inteligência artificial do ChatGPT e do BARD, chamados de u-robot, capazes de se adaptar com facilidade e de maneira customizada às necessidades da sua empresa. Quer conhecer mais sobre? Clique no link e confira! 

 

Há mais de séculos, ou até mesmo, milênios, a sociedade busca mecanismos capazes de imitar a inteligência humana. O estudo da inteligência teve seu início há mais de 2.000 anos com os filósofos que buscavam entender como funcionavam os processos de aprendizados, visão, lembranças e raciocínios.

Um exemplo foi Aristóteles (384 – 322 a.C.), o qual desenvolveu um sistema informal de silogismos para raciocínio, que através de premissas, geravam conclusões.

A automação da computação veio como conceito inicial através de Leonardo da Vinci (1452 – 1519), quando projetou uma calculadora mecânica, sendo que reconstruções recentes validaram sua funcionalidade.

Muito tempo depois em 1956, quando John McCarthy se reuniu no campus de Dartmouth College, em New Hampshire, com alguns cientistas computacionais como Oliver Selfridge, Marvin Minsky e Trenchard More interessados em autômatos, redes neurais e estudo da inteligência para passar dois meses estudando sobre como a inteligência poderia ser descrita a ponto de que uma máquina pudesse simulá-la.

Esse verão reuniu grandes pesquisadores que tiveram relevância nesse campo de estudo nos próximos anos.

O teste de Turing

Nos anos 50, o cientista computacional Alan Turing propôs um teste com o intuito de responder se as máquinas de fato poderiam pensar.

Para solucionar este problema, ele propôs o “jogo da imitação”. Na versão “humana” participavam três pessoas, uma pessoa precisaria adivinhar quem era o homem e quem era a mulher num contexto de perguntas e respostas, onde um mediador trazia as respostas e o participante não podia ver quem respondia e nem ter acesso direto às respostas deles.

O que diferenciou na versão de Turing, é que ele substituiu um dos participantes por uma máquina.

Assim, se não descobrissem entre os respondentes quem era o homem e quem era a máquina, seria considerada inteligente a máquina. Diante desse jogo, Turing traz um novo conceito para a ciência cognitiva por meio de um teste, o qual trouxe um desdobramento significativo para os primórdios da inteligência artificial simbólica.

Mas afinal, o que é Inteligência Artificial?

Hoje, a IA é um ramo da ciência da computação (não exclusivo) que tem o intuito de fazer com que as máquinas se comportem de forma inteligente.

A inteligência artificial está ligada a diferentes tecnologias que podem ser integradas de várias maneiras que podem ser capazes de:

Por ser muito ampla em relação aos seus estudos, a IA também está relacionada com a psicologia, biologia, lógica matemática, linguística, engenharia, filosofia, entre outras áreas científicas.

Marcos da IA

Anos 50

Arthur Samuel, engenheiro da MIT que trabalhava num projeto para criar máquinas autônomas, criou o termo “machine learning”, que descreveu como "um campo de estudo que dá aos computadores a habilidade de aprender sem terem sido programados para tal".

Anos 60

Também criada pela MIT, ELIZA foi uma iniciativa que buscava simular uma conversa entre humanos e máquinas.

Ela foi programada para ser uma psicóloga, através de diálogos com usuários humanos que interagiam com ela, usando respostas baseadas em palavras-chave e estrutura sintática.

Shakey - foi criado o primeiro robô móvel que era capaz de raciocinar sobre suas próprias ações, quebrando comandos complexos em menores para assim, realizar ações sem instruções do homem.

Dá uma olhada no vídeo para conhecer ele!

Entre 70 e 80

O “inverno da inteligência artificial” foi uma época com poucas novidades para esse campo de estudo e cortes de investimentos.

A área se reinventa com Edward Feigenbaum, que traz os sistemas especialistas, os quais são softwares que se especializam em determinado campo e realizam atividades complexas e específicas sobre determinado assunto. Esse novo conceito de IA faz com que se aproximem mais do mercado corporativo, se tornando essencial seu uso.

Anos 90

O computador, Deep Blue da IBM, vence o campeão soviético de xadrez, Garry Kasparov.

A máquina adotava um método de cálculo que analisava as possibilidades, prevendo respostas e sugerindo os melhores movimentos.

Até aqui, trouxe um breve contexto da IA e seus grandes marcos até os anos 90. Caso queiram conferir toda a timeline, recomendo esse vídeo do canal TecMundo.

Logo mais, vou trazer aqui como a IA está evoluindo nos dias atuais e como ela está se relacionando com a robótica humanoide, postei um artigo semana passada sobre os robôs, confira aqui.

Até mais, galera 😉

 

Sobre a autora

Flávia Oliveira trabalha com parcerias estratégias no ANYMARKET, unidade da DB1 Global Software. É formada em Administração e atualmente é mestranda em Inovação e Propriedade Intelectual pela UEM. Se interessa por inovação, comportamentos e culturas.

Atualmente, falamos muitos sobre IOT, porém realmente conhecemos IOT e suas possibilidades?.Neste artigo venho dar uma breve introdução sobre o que é, como funciona, mercado e aonde podemos chegar.

O Termo IOT é a abreviação de “INTERNET OF THINGS”, em português conhecido como internet das coisas.

O conceito sobre IOT vem sendo desenvolvido há décadas, porém, somente em setembro de 1999 o termo foi criado por Kevin Ashton, um pioneiro na área de IOT.

IOT ou Internet das coisas são dispositivos conectados entre si, podendo ser, por exemplo, uma pessoa, um animal, um automóvel, ou qualquer “coisa” que esteja devidamente conectado.

Como funciona IOT?

Pense da seguinte maneira: você chega em sua residência e deixa o portão da sua casa aberto. Logo você entra em casa e liga a tv, a tv te avisa que o portão está aberto e irá fechar para você. Ou então, você começa esquentar um café e a torradeira automaticamente pergunta se vai querer um pãozinho para acompanhar.

São exemplos simples, porém práticos da utilização de IOT no dia a dia. E vamos muito além disso.

Atualmente a comunicação entre dispositivos IOT é feita de diversas formas, porém a mais mencionada na comunidade é RFID (radio frequency identification) o que torna os dispositivos apenas visíveis.

Um exemplo da utilização de etiquetas RFID é uma geladeira IOT, onde ela efetuaria a leitura dos produtos, registraria estes produtos e avisaria datas como vencimento de produtos ou realizar compras e solicitaria a entrega dos mesmos entre outras infinitas possibilidades.

E o mercado, como fica?

Na espera global, hoje temos em torno de 6 bilhões de dispositivos conectados a internet, uma breve projeção é que em 2020 chegará a marca dos 50 bilhões.

Estima-se que em 7 anos, IOT no brasil movimentará por volta de R$ 200 bilhões, em torno de 10% do PIB nacional.

Com isso, temos infinitas possibilidades de mercado, principalmente na área de marketing, saúde, terminais de autoatendimento, rural, cidades entre outros.

Este ano de 2019, o BNDES irá investir em 15 projetos de IOT.

Veja quais são as áreas irão receber incentivos para desenvolvimento em suas tecnologias.

Saúde

Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (Cesar)

Monitoramento do estoque e automação dos pedidos de reposição de cilindros de oxigênio, vigilância do consumo e registro da posologia. Município: Recife, PE

Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP)

Monitoramento dos ativos hospitalares (bombas de infusão, macas, cadeiras de rodas e ambulâncias); 2 -Triagem de retinopatia diabética por teleoftalmologia. Município: São Paulo, SP

Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico (LSI-TEC)

Monitoramento remoto para controle de sepse em crianças com câncer; e monitoramento remoto aplicado à qualidade do sono. Município: São Paulo, SP

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)

Desenvolvimento de soluções para um “Hospital Digital” envolvendo gestão automatizada e inteligente de ativos, pacientes, agentes de saúde, procedimentos e prontuários. Município: Rio de Janeiro, RJ

Rede Nacional de Pesquisa (RNP)

Monitoramento remoto de crianças e adolescentes com obesidade. Município: Fortaleza, CE

Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS)

Monitoramento remoto de pacientes com hipertensão. Município: Porto Alegre, RS

Rural

Centro de Pesquisas e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD)

Otimização no uso de máquinas agrícolas, monitoramento pluviométrico , gestão de pragas e técnicas de pecuária de precisão para o bem-estar de bovinos. Municípios: Diamantino, MT; Correntina, BA; Pradópolis, SP; e Lucas do Rio Verde, MT

Embrapa Informática

Gestão de pragas e maquinário, monitoramento de bem estar animal na bovinocultura de leite e utilização de sistemas de IoT para integração lavoura-pecuária-floresta. Municípios: Carazinho, RS; Santa Maria do Pará, PA; Castanhal, PA; Barbalha, CE; Valença, RJ; São Carlos, SP; São João da Boa Vista, SP; Itatinga, SP; Sinop, MT; Recanto das Emas, DF; Paraí, RS; Bom Despacho, MG; Boa Esperança, MG; Passos, MG; e Coronel Pacheco, MG

Fundação para Inovações Tecnológicas (Fitec)

Plataforma integrada de dados (clima, solo, manejo, máquinas, eficiência energética e eficiência hídrica) para monitoramento e recomendações sobre o uso de recursos naturais, insumos e maquinário. Município: Uberlandia, MG

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)

Otimização de recursos energéticos, recursos naturais, insumos agrícolas, maquinário agrícola, além de soluções voltadas ao pequeno produtor agrícola. Municípios: Holambra, SP; e Santiago do Norte, MT

Cidades

Centro de Pesquisas e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD)

Uso de câmeras e visão computacional para segurança pública; predição avançada do clima; provimento do serviço de veículos elétricos compartilhados; e plataforma completa de telegestão para iluminação publica. Município: Campinas, SP

Fundação Instituto Nacional de Telecomunicações (Finatel)

Implantação de telegestão na rede de iluminação inteligente e integração com videomonitoramento para segurança pública. Municípios: Santa Rita do Sapucaí, MG; Caxambu, MG; e Piraí, RJ

Fundação para Inovações Tecnológicas (Fitec)

Implantação de rede de iluminação pública habilitadora de soluções de IoT, tais como lixeiras inteligentes, videomonitoramento para segurança pública, defesa civil e parquímetros eletrônicos. Município: Mar de Espanha, MG

Instituto Atlântico

Implantação de redes de iluminação pública habilitadoras de soluções de IoT, visando à redução do tempo de deslocamento, aumento da atratividade de transportes públicos e o aumento da capacidade de vigilância para segurança pública. Municípios: Fortaleza e Juazeiro do Norte, CE; e Petrópolis, RJ

Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico (LSI-TEC)

Utilização de single board computer Labrador (foto) para controle inteligente da rede semafórica da cidade de São Paulo e monitoramento de situações de crime e ameaças à segurança urbana. Município: São Paulo/SP

Somente estes projetos somam o total de R$ 88 milhões em investimento.

Conclusão

E aonde podemos chegar cabe a cada um de nós desenvolver cada vez mais skills nessa área que embora não seja tão nova, ainda anda a pequenos passos e que tem espaço para todo mundo.

Espero que tenham gostado de uma breve introdução ao mundo do IOT

Até breve onde continuarei escrevendo sobre tendência e tecnologias IOT.

Sobre o autor

André Santini é formado em Analise e desenvolvimento pela Unicesumar há 3 anos. Atua como desenvolvedor java na Equipe ITServices da DB1 Global Software. Se interessa pelas áreas de IOT, Automação e M2M, Maching learning e inteligencia artificial. Aspirante a violinista e futuro professor universitário.

 

E aí, quando você para e pensa num robô, a imagem que costuma vir na sua cabeça está relacionada às referências dos desenhos, filmes e séries que já assistiu?

Não é para menos – desde pequenos todos estamos em contato com eles, como a robô “Rosie” dos Jetsons, ou nos clássicos como “Perdidos no Espaço” e “I.A – Inteligência Artificial”…

Hoje damos inicio à Trilha de Robótica e IA – onde vamos abordar temas a respeito da história da robótica, desenvolvimento da inteligência artificial e previsões de como essa tecnologia irá se desenvolver.

Vamos lá!

História

A concepção real do robô foi numa peça teatral pelo dramaturgo tcheco, Karel Čapek, nos anos 20.

É isso mesmo, há quase um século, Capek trouxe na dramaturgia a história de um cientista que criou uma máquina inteligente para realizar as tarefas mais difíceis do homem, e diante dessa pira toda… a máquina se revolta contra ele.

Isso é muito Black Mirror desde os anos 20, ein!

Anos depois, surge novamente a referência do robô na dramaturgia, só que agora nos cinemas: “Eu, robô”.

O conto foi escrito por Isaac Asimov e além de representar na ficção robôs que simulados no mundo real reproduziam comportamento humano programados pelo homem, ele também incorporou três leis FUNDAMENTAIS para a ciência da robótica, as quais para muitos pesquisadores, até hoje fazem total sentido.

A partir daí, foi dado o start para a evolução da robótica no mundo.

Vou te contar um pouco mais.

 

A evolução da robótica

Robôs Industriais

Os primeiros foram robôs voltados à produção, fábricas.

Eles exigiam total controle do homem na sua programação, estavam lá para cumprir funções. Esses robôs estavam longe do que podíamos imaginar como “robô inteligente”.

Para isso, seria necessário aumentar a sua complexidade, trazendo mobilidade e sensoriamento, por exemplo.

Robôs móveis

A partir dos robôs industriais, surgem os robôs móveis.

Esses podem ser usados para várias tarefas, como: transporte de peças em indústria até à exploração de locais perigosos como ambientes espaciais, por exemplo.

O robô móvel é livre para se mover em todas as direções, assim para seu controle é exigido outras tecnologias importantes, como o sensoriamento.

O complemento entre inteligência artificial e robótica mudou de maneira radical com o surgimento dos robôs móveis.

Robôs humanoides

Ao tentar aumentar o nível de inteligência dos robôs, surgem os primeiros protótipos humanoides, dando início à robótica cognitiva.

Para que um robô se tornasse humanoide era preciso que ele tivesse comportamentos parecidos com dos humanos.

Para os pesquisadores do MIT, 4 fatores foram considerados importantes para orientar as pesquisas dos robôs:

Dá uma olhada aqui em alguns robôs humanoides que chamaram a atenção geral na época 😉

Robô COG

Desenvolvido pelo MIT, um dos mais famosos robôs humanoides é o “Cog”. Ele é capaz de reproduzir um torso humano com cabeça e seus movimentos aproximam dos movimentos humanos além de possuir vários sistemas sensoriais.

Olha que legal esse vídeo do Cog aprendendo e executando tarefas.

Honda Asimo – 2000

Este robô é fruto de uma linha de desenvolvimento de robôs humanoides da Honda. O foco deles foi criar um robô capaz de andar, se deslocar em ambientes domésticos, desviando de objetos e pessoas.

Para conseguir um andar estável, ele foi construído de modo em que não caísse quando o chão fosse inclinado, e também que fosse capaz de subir e descer escadas.

Para saber mais, confiram o artigo do Ricardo Ribeiro Gudwin, onde ele traz uma análise completa!

Chegamos à era dos robôs bípedes!

Robôs do futuro!

Hoje vimos um breve contexto histórico sobre a evolução dos robôs.

Ao escrever esse artigo, lembrei de algumas matérias sobre previsões que gostaria de compartilhar.

Uma delas são as previsões que Asimov fez para 2019… sim! O cara que criou a teoria da robótica que citei no início, publicou no jornal The Star of Canada em 1983, previsões de como seria o mundo esse ano.

Isso me fez pensar que se parte do que ele pensou de fato aconteceu/está acontecendo… como ficará a questão dos robôs humanoides? Eles de fato vão respeitar as leis que ele propôs?

A MIT Technology Review questionou o Bill Gates sobre algumas invenções que ele acredita que irão mudar o mundo para melhor. Entre elas, ele cita a “Destreza Robótica”

Bill Gates acredita que segurar objetos como os humanos fazem ainda é um grande desafio para a robótica. Assim, ele acredita que em breve essa funcionalidade sairá do mundo virtual para o real.

Também tem esse TED do Marc Raibert, fundador da Boston Dynamics, que está desenvolvendo robôs incríveis! Muito show!

Hoje tivemos uma prévia sobre esse mundo da robótica. Logo mais, estarei aqui para falar de uma outra tecnologia, que surgiu na mesma época que a robótica, mas com métodos e objetivos diferentes…

Só que na imaginação humana, as duas sempre andaram juntas: Inteligência Artificial 😉

Até mais!

Sobre a autora

Flávia Oliveira trabalha com parcerias estratégias no ANYMARKET, unidade da DB1 Global Software.

É formada em Administração e atualmente é mestranda em Inovação e Propriedade Intelectual pela UEM. Se interessa por inovação, comportamentos e culturas.

Pensando em adquirir um Tinbot para a sua empresa? Solicite contato do nosso time.